Padre Fernando: UM PRESENTE DE DEUS - Benê Cantelli

09/10/2017 08h19 - Por: Autor
 
 
Benê Cantelli.Foto:Arquivo/DivulgaçãoBenê Cantelli.Foto:Arquivo/Divulgação

Na vida, a cada passo que damos, somos acostumados a encontrar pessoas especiais. Aliás, basta estarmos necessitados, que Deus nos presenteia alguém, que nos servirá de norte, de companheirismo e de alívio em nosso caminhar.

Acreditar em Deus tem um custo, às vezes, nada fácil, porém, é melhor estarmos com Ele do que sozinhos. Contudo, fácil ou não, estar com Deus, é a certeza de que ao chegar à encruzilhada, onde o destino nos impõe determinadas circunstâncias, para perceber o que significa ter a Deus como único Senhor.

Com a vida e seus imbróglios, aprendi que não existe Banco bom, o que existe é um bom gerente. Não existe uma matéria ou disciplina melhor, em tempos escolares, o que existe é um bom professor. Aquele que se torna o diferencial. Em parte, por isso, encontramos alunos que detestam a Matemática e outros adoram.

Se as pessoas tivessem como hábito, agradecer a Deus pelas coisas boas que nos acontecem, com certeza, muitos outros milagres seriam a recompensa, por esse amor e gratidão. De verdade, não aprendemos, quando crianças, a sermos gratos e termos a lucidez de nos fazermos agradecidos por tudo de bom que recebemos, tanto de Deus, como dessas pessoas especiais que encontramos em nosso caminhar.

Quase sempre, estamos prontos a enfrentar, a discutir e a exigir para nós aquilo que achamos bom e benfazejo. Poucas vezes, servimos a Deus ou a alguém que mereceria de nós uma mão estendida em sinal de apoio, quando este de nós poderia receber o afeto ou companheirismo. Talvez, seja esta, uma das mais terríveis falhas na formação de nosso caráter e sentimento.

Em meio a esta tão agitada vida que levamos, é tão bom e salutar aprendermos a nos congratular com aqueles que tem a divina missão de nos ajudar, tanto nos tropeços quanto em nossas maiores vitórias. Podemos, tanto cair nos piores momentos, quanto nos melhores. Uma mão estendida em nossa direção, num momento desses, é Deus se fazendo presente, como quando se encarnou, isto é, se vestiu de carne, para ser nosso Salvador.

Alguém já disse que, ir à Igreja é bom, mas, servir ao próximo é muito melhor. Ir à Igreja e aprendermos a estender a mão a quem precisa, é a perfeição. A generosidade e a ajuda ao próximo é de tal valia para Deus que Ele afirma, na Palavra: "Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício" (Os 6: 6).

Nós sabemos o que significa visitar um doente, ou mesmo, pessoas que estão num asilo. Com certeza, nessa hora, ir à Igreja é muito mais fácil e, inclusive, muito mais cômodo. Fazer-se pessoas especiais, é mais do que encontrar um belo tesouro.

Na Igreja do nosso mais populoso bairro, o Água Boa, que tem uma paróquia conhecida como São João Batista, o que mais chama minha atenção, é o número de fiéis que demandam às filas da comunhão, Com sinceridade, nunca vi tantos em outra. Entendo que ir à Igreja e não comungar ou receber a ceia, é como ir a um jantar e na hora de servir o jantar, a gente se levanta e vai embora. O que pensariam nossos anfitriões?

Conheço esta Paróquia, desde os tempos do padre Manoel. Claro que devo dizer que nem em sombra, se compararia com a linda Igreja que nos brindou o tão querido padre Alberto, hoje residindo na Alemanha, sua terra natal.

Atualmente, dirigida pelo Padre Fernando, talvez o mais jovem de nossa cidade, deveria fazer inveja, ainda que sadia, a muitos outros. Como ele mesmo diz: Devemos cuidar de nossa Igreja, mais do que nossa própria casa, pois ela é a Casa de nosso Senhor e Deus.

Para conhecer o desvelo que tem pela Igreja, como templo, e a comunidade, verdadeira igreja, é melhor fazer parte daquela comunidade.

Bom dia e melhor semana a todos.

Professor e Campista

bncantelli1@gmail.com

Envie seu Comentário